Muitas vezes, no trabalho, preferimos não usar uma linguagem muito técnica e formal, quando nosso ambiente de trabalho não atende o público e já criamos alguma intimidade com nossos colegas.

Entretanto, a linguagem informal pode-se constituir uma verdadeira armadilha, uma vez que a língua se modifica, e o significado de certas palavras ganha um peso negativo, de forma que, para não causar ofensas, devemos não mais utilizá-las.

E isso acontece em todas as camadas da língua. Por exemplo, no Brasil a palavra “Rapariga” tem o significado de “Prostituta”, enquanto que em Portugal ela significa “Menina”.

E você sabe que palavras e termos não essas? Confira:

1.      Judiar

“Judiar” significa “Reduzir à condição de Judeu”. Um termo criado em meados da Idade Média, quando judeus viviam em péssimas condições sociais e sofriam violência, devido ao antissemitismo dos europeus.

Troque por “Humilhar”.

 

2.      Nas coxas

Expressão que significa “algo malfeito”. O problema do termo é que ele se refere à produção de telhas, no Brasil colonial. Essas peças eram moldadas nas coxas de pessoas escravizadas, atingindo tamanhos diferentes, portanto, eram de qualidade inferior.

Troque por “Malfeito”

 

3.      Programa de índio

Chamar qualquer coisa que não lhe agrada de “Programa de índio” remonta ao preconceito dos portugueses contra indígenas e suas festividades religiosas. Logo, traz a ideia de desprezar uma cultura diferente da sua.

Troque por “Passeio chato”.

 

4.      Gordice

Apesar de parecer inofensivo, falar que algo é “gordice” é associar certos comportamentos e situações (comer demais, agir de forma desajeitada, etc.) ao peso. Logo, é preconceito contra determinada forma física.

Não há opção correta, aqui.

 

5.      Mal-amada

Expressão usada para falar de mulheres bravas, carregada de machismo, porque associa o humor de uma mulher à sua vida afetiva e sexual. Ou seja, denota que a mulher depende de alguém para estar bem.

Troque por “Amargurada”.

 

6.      Criado-mudo

Expressão racista, porque era o “título” dado a escravizados responsáveis por carregar as coisas do senhor, dentro do quarto, mas eram proibidos de falar ou conversar.

Troque por “Mesa de canto/cabeceira”.

 

7.      Denegrir

Essa expressão vem da ideia, usada na época da escravidão, de reduzir o status social de uma pessoa (branca), a de uma pessoa negra (um escravizado, dito como inferior, mentalmente incapaz e similares).

Troque por “Humilhar”.

 

8.      Doméstica

Apesar de ser um termo bem comum, e aparentemente inocente, remete à ideia de Civilização (Europa) em oposição à Selvageria (África).  Uma mulher escravizada que fora “domesticada” era alguém que havida perdido sua condição de “selvagem”.

Troque por “Faxineira”.

 

9.      Mulher de verdade

Expressão machista, que se pretende ser um elogio, porque pressupõem que as mulheres deveriam se comportar dentro de normas sociais tradicionais (obediência, pudor, etc.), enquanto que as que não agissem assim seriam “falsas”.

Troque por “Mulher forte”, “mulher de caráter”, etc.

 

10. Escravo

Muita gente não sabe, mas o termo “escravo” é racista, porque pressupõe que essa é uma condição que as pessoas aceitavam.

Troque por “escravizado”.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Abrir Chat