Quem é professor sabe que um dos saberes que deve ser estudado, na escola, é Historia e Cultura Afro-brasileiras. Mais do que uma opção da escola, o tema é uma obrigação, devido à Lei 10.639/2003.

Diante dessa exigência, muitos educadores ainda encontram dificuldades em trazer o tema, às suas aulas. Porque, de fato, é difícil sair de uma perspectiva eurocentrada de ensino. Ainda mais, quando falamos de séries mais jovens.

Porém, a internet está aí, oferecendo ampla gama de materiais para estudo e divulgação. Poesias, contos, contos tradicionais, filmes, músicas… Há muitos materiais, que merecem ser pesquisados, pois trazem uma grande diversidade de temas e motivos de estudo.

Um desses materiais é o desenho nigeriano Bino & Fino, disponível no Youtube. Criado pelo animador Adamu Waziri, conta a história de dois irmãos o menino Bino e a menina Fino, e suas vivências por temas como tradição e modernidade, desenvolvimento social, preconceitos, entre outros.

Só por ser um desenho nigeriano, já seria um bom motivo para passar ele para os alunos. Porém, posso apresentar aqui mais 3 razões – e as áreas do conhecimento delas.

 

1.      África não-tribal

Professores de Historia e Geografia sabem que alguns países do continente africano estão muito – muito – distantes da imagem de uma África tribal/primitiva (que, factualmente, nunca foi). E Bino & Fino mostra isso.

As personagens moram em casas como qualquer casa brasileira, com eletrodomésticos e móveis, usam celulares, vão à escola (muito semelhante a uma escola americana)… Ou seja, o desenho mostra uma Nigéria moderna.

E isso é essencial, para acabar com os preconceitos contra a ideia geral de “África”. A nigéria é um país tão globalizado quanto o Brasil.

 

2.      Tradição X Modernidade

Apesar de a Nigéria ser uma economia global, ser a 3ª maior indústria de cinema do mundo, ser um produtor de petróleo, é um país que vivencia sua ancestralidade das mais diversas maneiras.

Isso é, alguns aspectos de cultura nigeriana se chocam com aspectos da contemporaneidade. E isso vira o enredo de Bino Fino.

Seja no episódio do futebol, seja no episódio das Muralhas do Benin, são momentos nos quais Bino e Fino se surpreendem com elementos da cultura tradicional de seu país.

Algo que acontece em todos os lugares do mundo, mas que no desenho, quando interpretado à luz de uma crítica colonialista, é exagerado.

Ou seja: o desenho nos mostra que na Nigéria também está em transformação.

 

3.      Estética yorubana

Bino & Fino costuma causar um estranhamento inicial devido a elementos da cultura yorubana (a principal etnia da Nigéria), usados na animação.

As personagens têm rostos ovalados, com grandes olhos, e cabelos e mãos grandes. Essa aparência é das esculturas africanas tradicionais (especialmente, as máscaras geledés).

Já nas roupas e preenchimento de cores, vemos capulanas – as tradicionais estampas do continente africano, cheias de cor.

Por fim, os nomes das personagens são diferentes da lógica linguística ocidental. Assim, nomes com o, nem sempre são masculinos – tenha vista, a menina, Fino.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Abrir Chat