Feriados são datas que dividem pessoas. Sem falar das questões simbólicas de um feriado (que podem e devem ser discutidas), temos alguns pontos econômicos importantes.

De um lado há os entusiastas, que apontam para os benefícios de se parar, um dia na semana para descansar. Relaxamos, aliviamos o stress, viajamos, etc. Ninguém nega que isso é vital para nossa saúde mental.

Do outro lado, contudo, há os opositores. Pessoas que apontam justamente para a quebra de produtividade que parar um dia da semana causa. Além disso, há questão dos ganhos semanais, que em alguns setores pode diminuir, nos feriados.

Assim, feriados são inimigos da economia? Fomos atrás da informação e encontramos 5 argumentos financeiros favoráveis a eles. Confira:

 

1.      Ganhos sazonais

Feriados fazem muito pela economia de lugares cuja economia depende, em parte ou totalmente, de turismo. Há toda uma microeconomia que é movimentada durante feriados, incluindo aí redes de hotelaria, restaurantes e museus.

Além disso, há serviços como aluguéis de carros, pranchas de surf ou ônibus fretados, por exemplo, que multiplicam os ganhos, em feriados.

Sem falar, é claro, nos ganhos indiretos que prefeituras e estados recebem, via impostos, quando há um consumo maior, em suas regiões administrativas.

 

2.      Estímulo ao empreendedorismo

Estimular a criação de serviços nem sempre é uma tarefa tranquila.

Cidades que tenham sua economia (ou parte dela) alicerçada em turismo são, naturalmente, mais estimulantes ao empreendedorismo, mesmo que seja um empreendimento pequeno – uma simples barraca de lanches em uma praia.

Pode parecer algo pequeno, porém, é alguém que está se inserindo no mercado de trabalho, e de forma legal.

 

3.      Estímulos a negócio imobiliários

Outro setor da economia que ganha com a criação – e sedimentação – do turismo em uma região é o de negócios imobiliários.

E feriados têm uma enorme importância nesse sentido. Seja pela construção e reforma de hotéis, seja pela construção de empreendimentos visando aluguel, o mercado imobiliário ganha com feriados prolongados.

Imobiliárias de “aluguel de temporada” faturam, em cima de perspectivas de feriados.

Além disso, a ideia de uma casa ou apartamento “de veraneio” pode ser uma opção de investimento – para quem constrói e para quem vende.

 

4.      Perspectivas de futuro

Crianças e jovens, de cidades que recebem muitos turistas, crescem com a perspectiva de trabalhar com essa indústria. Ou seja, minimamente têm perspectivas de mercado de trabalho no futuro, após o colégio.

Essas perspectivas são vitais para equilíbrio social de uma comunidade. Muitas vezes, jovens de comunidades carentes envergam por caminhos socialmente reprováveis, devido à falta de perspectivas em relação ao futuro.

 

5.      Investimentos na infraestrutura urbana

Cidades cuja economia depende em parte, ou totalmente, de turismo, seja ele de longa ou curta temporada, tendem a ter investimentos em infraestrutura. Eventualmente, é um investimento sutil e localizado (apenas nos bairros turísticos).

Mas ainda assim, atenderá parte da população residente.

Sejam investimentos em transporte, saúde, ou abastecimento, o fato é que a cidade (ou bairro) que recebe turistas recebe, também, investimentos em infraestruturas sociais básicas.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original